Evidências de Deus , uma fé racional

este forum tem o propósito de organizar e juntar evidências científicas, filosóficas e racionais pela existência do Deus da biblia


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Passos fáceis para refutar o naturalismo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Passos fáceis para refutar o naturalismo em Seg Out 19, 2015 6:04 am

5 etapas fáceis para refutar o naturalismo

http://elohim.heavenforum.org/t171-passos-faceis-para-refutar-o-ateismo#276

Ou o cosmo (1) não tinha começo, ou (2) tinha um começo.
(1) Se o cosmos não teve começo, então deve haver uma série infinita de eventos passados. No entanto, é impossível percorrer um infinito real. Portanto, o universo não pode ser infinitamente velho.
Além disso, se o cosmos fosse infinitamente velho, teria alcançado a entropia máxima há muito, muito tempo. Como não atingiu a entropia máxima, não pode ser infinitamente antigo sem violar a segunda lei da termodinâmica.
(2) Se o cosmos teve um começo, então deve ter vindo de (A) nada ou (B) alguma coisa.
2.A. Embora físicos como Krauss e Hawking falam de "o universo se criando a partir do nada", eles estão usando a palavra "nada" para  a energia do vácuo, que não é um verdadeiro nada. Para ser mais preciso, o ser não pode emergir do não-ser. Isso violaria a primeira lei da termodinâmica: a energia não pode ser criada nem destruída; Ele só pode mudar de forma. Assim, o cosmos não emergiu do não-ser.
2.B. Se todo o cosmos veio de alguma coisa, essa coisa deve transcender o nosso cosmos, isto é, deve existir além dos limites do nosso espaço / tempo contínuo. Ele também deve possuir mais energia (poder) do que a energia total dentro de nosso cosmos. Podemos chamá-lo de Primeira Causa.

Há coisas que vêm à existência.
Tudo que passa a existir é causado para vir a existir por outra coisa.
Não pode haver uma série infinita de causas passadas.
Nem pode vir algo a existir a partir de absolutamente nada
Portanto existe uma primeira causa necessária que não veio à existência.
Em outras palavras, a primeira causa sempre existiu.


PASSO 1:  Se algo existe, então tem as seguintes possibilidades : a) algo é eterno no passado, sem verdadeiro começo, ou b) algo veio de absolutamente nada (AN), ou c) algo foi causado por outro algo, ou alguem, ou d) este algo se auto-causou.  Vamos analisar estas possibilidades.  

Certamente ninguém buscando a verdade real iria aceitar a hipótese b.

A. Nós não temos absolutamente nenhuma razão para acreditar que AN já existiu no passado ou que ele jamais poderia ser alcançado.
B. AN não tem poderes criativos e potencialidade. Isto significa que um AN pode criar ou ser a causa de qualquer coisa, desde que é a ausência absoluta de qualquer coisa.
C. AN não pode ser discriminatória - Se algo pode vir de de AN,  então tudo pode.
D. Certos absolutos matemáticos  não podem ser prejudicados. 0 + 0 é sempre igual a 0.
E. Não há nenhuma evidência, científica ou não, que apoia a alegação de que algo pode de fato vir de AN. Toda a evidência aponta para a o contrário.
F. Seria quebrar a lei de causa e efeito.
G. Seria quebrar a lei da uniformidade.
H. AN não tem fronteiras que limitam, por isso não só seria tudo  capaz de vir de um AN(c), mas seria capaz de fazê-lo todo o tempo !!

PASSO 2: O universo teve um começo

Dois cosmólogos, Audrey Mithani e Alexander Vilenkin ambos da Universidade de Tufts, em Massachusetts, pesquisaram a possibilidade   matemática que considera a um universo eterno. Nela, eles tomam um olhar mais atento sobre o conceito de um universo que não tem começo nem fim.

Atualmente, existem duas descrições principais de existência do universo que sugerem que o universo está eternamente velho sem um Big Bang. O primeiro é o modelo de inflação eterna, em que diferentes partes do universo expandem e contraem a taxas diferentes. Em seguida, há a idéia de um universo e um emergente que existe como uma espécie de semente para a eternidade e, de repente se expande para a vida.

Fato é, verifica-se que a idéia de um universo eterno só pode permitir que certos tipos de expansão do Universo ocorram e, em seguida, eles vão mostrar que os modelos atuais de inflação que foram sugeridas tem que ter um começo. Desnecessário a dizer, a matemática no  papel deles é bastante complexa, mas eles conseguem resumir a coisa de forma compreensível:

   "Embora a inflação pode ser eterna no futuro, não pode ser prorrogada indefinidamente ao passado."

Eles também conseguem sabotar a idéia de que um modelo emergente do universo não pode esticar de volta eternamente, mas eles escolhem  usar a mecânica quântica. Resumindo, eles dizem:

   "Um modelo simples de um universo emergente ... não pode escapar o colapso quântico".

Basically, they've taken aim at the two current models of the universe that asume it's eternally old, and conclude that "none of these scenarios can actually be past-eternal." Which means the universe definitely had a beginning.


Basicamente, eles tomaram objectivo para os dois modelos atuais do universo que asume é eternamente de idade, e concluem que "nenhum desses cenários pode realmente ser passado-eternos." O que significa que o universo teve um começo definitivamente.

PASSO 3: O que existiu no passado sem começo não deve ocupar  espaço e ser  atemporal. Regressão infinita é impossível. Por quê ?

Por que o passado não pode ser infinito? A resposta é que é impossível completar uma série infinita de adição. A série de eventos passados ​​é completa. Pense neste fato matemático. Por que é impossível contar até o infinito? É impossível, porque, não importa quanto tempo você contar, você estará sempre em um número finito. É impossível completar um infinito real por adição sucessiva.

O passado é completo. Esta afirmação significa que toda a série de eventos passados ​​termina agora. Ele termina hoje. Logo não é parte da série de eventos passados. A série de eventos passados ​​não se estende para o futuro. É completo no presente. Se é impossível completar uma série infinita por adição sucessiva (como é impossível contar até o infinito) o passado não pode ser infinito. Se o passado é finito, ou seja, se ele teve um começo, então o universo teve um começo. Temos forte razão filosófica para rejeitar a alegação de que o universo sempre existiu.

PASSO 4: O que existiu no passado sem começo também deve ser pessoal. A verdade é que nós sabemos que o evento (a criação do universo) deve ter acontecido além do espaço e do tempo.

A causa do Big Bang aconteceu coincidentalmente com o Big Bang. Discussões filosóficas de direcionalidade causal rotineiramente tratam de causalidade simultânea, a questão e como distinguir de um lado a causa e  o efeito quando estes ocorrem em conjunto, ao mesmo tempo [Dummett e Flew (1954); Mackie (1966); Suchting (1968-1969); Brier (1974), pp 91-98.; Marca (1979)] Mesmo em um nível mundano, nós experimentamos regularmente causalidade simultânea.;

Portanto, a causa não pode ser física ou material. Existem apenas dois tipos de coisas que se encaixam nessa descrição. Ou os objetos abstratos (como números), ou algum tipo de mente inteligente ... Mas sabemos objetos abstratos não se colocam em relações causais e são causalmente impotentes. Portanto a causa transcendente da origem do universo, deve ser um ser pessoal, que não ocupa espaço, uma mente sem corpo, pessoal e imaterial, atemporal, inteligente. Em segundo lugar, apenas uma agente livre pode ser a explicação a origem de um efeito temporal, a partir de uma causa atemporal. Se a causa do universo era  não-pessoal, causa operando mecanicamente, em seguida, a causa nunca poderia existir sem o seu efeito. Porque, se a condição suficiente para o efeito é dado, então o efeito deve ser dada também. A única maneira de a causa ser atemporal, mas o seu efeito  começar no tempo, é para a causa de ser um agente pessoal que livremente escolhe criar um efeito no tempo, sem qualquer antecedente determinante de condições. Uma das principais questões que frequentemente perguntam é como poderia uma causa atemporal, não pessoal dar origem a um efeito temporal, como o universo? Você vê, se a causa fosse um conjunto não-pessoal de condições necessárias e suficientes, então a causa nunca poderia existir sem o seu efeito ... Se a causa fosse permanentemente presente sem começo, então o efeito o seria  permanentemente tambem. E, finalmente, uma vez que Deus seria a primeira causa não causada pessoal, ele é auto-dirigido e auto-motivado, e agiu volitivamente ... Se a causa não era pessoal, ela não seria capaz de se auto-dirigir, auto-motivar, havendo ação volitiva, impedindo-a de ser a primeira causa.

PASSO 5: Um criador atemporal, imaterial, pessoal, eterno,  incriado sobrenatural deve ser responsável pela existência do universo.

Ver perfil do usuário

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum