Evidências de Deus , uma fé racional

este forum tem o propósito de organizar e juntar evidências científicas, filosóficas e racionais pela existência do Deus da biblia


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Argumentos levantados com frequência, mas fracos contra o design inteligente

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

Admin


Admin
Argumentos levantados com frequência, mas fracos contra o design inteligente 1

1.Design inteligente não é ciência :

Como o Dr. Behe ​​disse:

Não se pode ter as duas coisas. Não se pode dizer tanto que DI é infalsificável (ou não testável) e que não há provas contra ele. Ou é infalsificável e flutua serenamente na  irrepreensão experimental, ou pode ser criticado com base em nossas observações e por isso é testável. O fato de que os revisores críticos avançam argumentos científicos contra a DI (seja com sucesso ou não) mostra que o design inteligente é realmente falsificável.

Na verdade, meu argumento para o design inteligente é aberto para dirigir refutação experimental. Aqui está um experimento de pensamento que torna meu ponto claro. Na Caixa Preta de Darwin (Behe 1996) eu alegei que o flagelo bacteriano foi irredutivelmente complexo e assim necessaría deliberado projeto inteligente. O outro lado dessa alegação é que o flagelo não pode ser produzido pela seleção natural atuando sobre mutação aleatória, ou qualquer outro processo pouco inteligente. Para falsificar tal afirmação, um cientista poderia ir para o laboratório, colocar uma espécie bacteriana faltando um flagelo sob alguma pressão seletiva (para a mobilidade, por exemplo), cultivá-la por dez mil gerações, e ver se um flagelo - ou qualquer  sistema igualmente complexo - foi produzido. Se isso acontecesse, minhas reivindicações seriam perfeitamente refutadas.

Como o Dr. William Dembski, um dos principais pesquisadores do design inteligente, habilmente declarou:

"O projeto inteligente é. . . uma investigação científica sobre como os padrões exibidos pelos arranjos finitos de matéria podem significar inteligência ".

Na melhor das hipóteses, a ciência é uma busca desenfreada (mas de forma ética e intelectualmente responsável) e progressiva para a verdade sobre o nosso mundo com base em análise fundamentada de observações empíricas. A própria antítese de uma busca desenfreada pela verdade ocorre quando cientistas com antolhos intelectuais e afirmam dogmaticamente que todas as conclusões devem estar em conformidade com a filosofia "materialista". Tal abordagem evita que os fatos falem por si mesmos. A busca da verdade só pode sofrer quando é artificialmente restrita por aqueles que querem impor a ortodoxia materialista por decreto autoritário antes que a investigação ainda nem começou. Esta abordagem, obviamente, suscita a questão, mas, infelizmente, é muito comum entre aqueles que escondem seus preconceitos metafísicos com a autoridade da ciência institucional ou a lei.

Isto é especialmente lamentável, porque a reflexão apenas de um momento é suficiente para concluir que ela é falsa verdade que a ciência deve necessariamente limitar-se a investigação de causas materiais somente. Causas materiais consistem de acaso e necessidade física (as chamadas "leis da natureza") ou uma combinação dos dois. No entanto, os investigadores do mundo já em Platão reconheceram um terceiro tipo de causa existente - atos por um agente inteligente (ou seja, "design"). A experiência confirma para além do menor dúvida de que o agir por agentes inteligentes freqüentemente resultam em sinais empiricamente observáveis ​​de inteligência. Na verdade, se não fosse assim, teríamos de abandonar forense, para citar apenas um dos muitos exemplos, a partir da rubrica de "ciência".

Basta olhar ao seu redor. O próprio fato de que você está lendo esta frase confirma que você é capaz de distingui-la de ruído.

Além disso, o DI satisfaz todas as condições normalmente requeridas para a pesquisa científica (ou seja, observação, hipótese, experimento, conclusão):

1. Baseia-se em dados empíricos: a observação empírica do processo de concepção humana, e propriedades específicas comuns a concepção humana e informação biológica ( informação complexa especificada ICE).

2. É um modelo quantitativo e internamente consistente.

3. É falsificável: qualquer demonstração positiva que ICE pode ser facilmente gerada por outros mecanismos além de projeto é uma falsificação potencial da teoria DI ( TDI).

4. Faz previsões empiricamente testáveis ​​e frutíferas

2] Nenhum real cientista leva o design inteligente a sério 

Pelo contrário. Eles levam a sério sim. Na sua essência, a TDI é simplesmente a sistematização da intuição do senso comum (discutido na literatura, pelo menos, já em Cicero ~ 50 aC) que os efeitos causados ​​por agentes inteligentes deixam traços únicos que podem ser distinguidos dos efeitos causados ​​por acaso e necessidade . Os teóricos do DI construem sobre essa intuição poderosa usando os métodos e princípios da ciência e da matemática bem estabelecidos.

Os teóricos do DI são cientistas qualificados, e eles levam o DI muito a sério, como pode ser visto a partir desta lista de revisão por pares e trabalhos editados por pares publicados na literatura profissional. A Teóricos como Michael Behe, William Dembski, Charles Thaxton, Walter Bradley, Dr. Jonathan Wells, e Roger Olsen,  se juntaram uma série  de cientistas credenciados (por exemplo, Douglas Axe, Guillermo Gonzalez, Albert Voie, John A. Davison, DW Snoke, David Berlinski, Scott Minnich, Stephen Meyer, Wolf-Ekkehard Lonnig, H. Saedler, Granville Sewell, David L Abel, Jack T Trevors, Robert Marks, Kurt Dunston e David Chiu KY, etc.) e no brasil, Marcos Nogueira Eberlin, membro da Academia brasileira de ciências (ABC) fundaram a Sociedade brasileira do design inteligente  ( SBDI ), entidade que reune ex-defensores da Teoria da Evolução.

Além disso, mesmo os cientistas que se opõem ao DI o levam a sério. Alguns  discutem sobre seus méritos e tentam refutar seus postulados, hipóteses e teorías, enquanto outros se sentem tão ameaçados por ele, que criam sites com a única intenção de atacá-lo em todos os sentidos possíveis. Quantos sites como o NCSE criaram páginas, ou a revista cientifica Nature criaram artigos para atacar a alquimia ?

Reconhecemos que o DI não representa o consenso entre os cientistas. Mas o DI representa uma mudança de paradigma contra uma ortodoxia científica estabelecida e enraizada, e a história da ciência está repleta de exemplos de ortodoxias científicas que eram hostis a (e às vezes até mesmo perseguidos) pensadores revolucionários. Por definição ortodoxias  resistem à mudanças, até mesmo quando é para  mudar para melhor.

A elevação do materialismo filosófico sobre busca da verdade em seus próprios termos é uma das principais razões que o consenso de cientistas rejeita o DI, e por que alguns até mesmo vão tão longe como a "expulsar" os teóricos do DI de seus empregos. Portanto, a demissão freqüentemente de acadêmicos de seus empregos, por defenderem uma posição anti-establishment científico não é muito impulsionada por uma avaliação justa da qualidade real do DI à luz dos melhores métodos de prática e os princípios da ciência. Em vez disso, é uma manifestação da falácia "Nenhum verdadeiro Scotsman".

No final do dia, no entanto, não importa se a maioria dos outros cientistas se opõem ao DI, porque a ciência não é resolvida por votação. A história da ciência deixa bem claro que o consenso de hoje é muitas vezes a teoria explodida de amanhã, e no final, as idéias científicas permanecem ou caiem com base em seus próprios méritos.

E, que - para ser julgada pelos seus próprios méritos - é tudo que o DI pede.

3] Design Inteligente não realiza ou publica artigos revisados por pares

No caso Dover o Juiz Jones afirmou que o DI não realiza  ou publica artigos de pesquisa científica. Ele estava simplesmente errado. Apesar da oposição e perseguição, há um conjunto significativo e crescente de pesquisas de suporte ao DI e publicações científicas com revisão por pares. Por exemplo, o Discovery Institute mantém uma lista de tais publicações baseadas em pesquisas. 2

Também é importante lembrar que a pesquisa biológica, quando feita corretamente, é uma pesquisa imparcial para os verdadeiros dados e explicações sobre o nosso mundo com base em evidências empíricas. Resultados dessas investigações não são "propriedade" dos darwinistas ou DIistas. Uma boa pesquisa científica é boa pesquisa científica, e pronto. Mesmo se o pesquisador tem uma convicção específica (a favor ou contra o DI), os dados são de propriedade de toda a comunidade científica e podem ser legitimamente avaliados e interpretados por todos. Nesse sentido, toda a investigação biológica é a pesquisa de DI (ou, se você quiser, pesquisa darwinista).

Por exemplo Michael Behe, quando perguntado que tipo de pesquisa poderia ajudar a provar sua tese, conforme descrito no Edge of Evolution, apontou para a pesquisa de Lenski no estado de Michigan sobre a evolução das bactérias. Lenski, sem dúvida, não gostaria, se ele soubesse que estava fazendo pesquisas de DI, mas de fato estava fazendo quesquisa DI. Cada geração de dados para cada linha de cultura testa (e, assim, possivelmente, falsifica) a tese de Behe.  Lenski não chama  sua pesquisa investigação de DI, mas não deixa de ser coerente com os objetivos de identificação e teoria.

4] ID não fazer previsões cientificas válidas, e não pode ser testado 3

Os que advogam a favor da teoria neo-darwiniana afirmam com frequencia que o ID não tem hipóteses que são falsificáveis. Eles, então, concluem que DI é pseudociência. Esta é uma reivindicação muito grave, e é prolífico nos meios de comunicação pró-evolutivos como um argumento fundamental contra o DI.

O que é uma hipótese falsificável? Uma hipótese é uma tentativa de explicação que pode ser testada. Refutável significa que a explicação deve poder ser provada falsa. Por exemplo, alguém pode fazer a hipótese de que, "nunca neva em julho." Esta afirmação pode ser provada falsa por evidência de que pode neviscar no hemisfério sul em julho.
Será que o DI tem hipóteses que podem ser falsificadas? Sim, e eles correspondem às hipóteses falsificáveis evolutivas. Por exemplo, Charles Darwin escreveu em A Origem das Espécies ", se pudesse ser demostrado que existe algum órgão complexo que não poderia ter sido formado por numerosas, sucessivas e ligeiras modificações, minha teoria seria absolutamente quebrada." Portanto, se a TDI pode  mostrar que não poderia ter evoluído  por numerosos pequenos passos  sucessivos e ligeiras modificações, seria revelar a teoria de Darwin como falsa. Nota-se: A seleção natural é uma teoria eficaz para explicar micro adaptações e speciação. Ela não é apta porém que a biodiversidade se  deve a ela. 
i . observação :
Os meios mediante quais agentes inteligentes atuam podem ser observados no mundo natural e descrito . Quando agentes inteligentes agem, observa-se que eles produzem altos níveis de " informação complexa especificada " (CSI) . CSI é basicamente um cenário que é improvável que  aconteça (o que o torna complexo), e em conformidade com um padrão (o que o torna especificado). Linguagem e máquinas são bons exemplos de coisas com muito CSI . A partir da nossa compreensão do mundo , altos níveis de CSI são sempre o produto de design inteligente .

ii . hipótese :
Se um objeto no mundo natural foi projetado, então devemos ser capazes de examinar o objeto e encontrar os mesmos altos níveis de CSI no mundo natural como encontramos em objetos humanos concebido.

iii . experiência :
Podemos examinar estruturas biológicas para testar se alta CSI existe. Quando olhamos para os objetos naturais na biologia , encontramos muitas estruturas de máquinas que são especificadas , porque elas têm um arranjo especial de peças que é necessário para que elas funcionem , e complexo , porque eles têm um acordo improvável de muitas partes que interagem. Estas máquinas biológicas são " irredutivelmente complexas", para qualquer alteração na natureza ou a disposição dessas partes destruiria a sua função. Estruturas irredutivelmente complexas não podem ser construídas através de uma teoria alternativa , como a evolução darwiniana , porque a evolução darwiniana exige que uma estrutura biológica precisa ser funcional ao longo de cada pequeno passo de sua evolução. " Engenharia reversa " dessas estruturas mostra que elas deixam de funcionar se mudar mesmo ligeiramente .

iv . conclusão :
Porque elas apresentam altos níveis de CSI , uma qualidade conhecida por ser produzida apenas pelo design inteligente, e porque não há outro mecanismo conhecido para explicar a origem destas estruturas biológicas " irredutivelmente complexas" , podemos concluir que elas foram inteligentemente concebidas .


Como o Dr. Behe disse :
Não se pode ter as duas coisas . Não se pode dizer tanto que ID é infalsificável (ou não testável ) e que não há provas contra ele. Ou é infalsificável e flutua serenamente irrepreensível experimental , ou pode ser criticado com base em nossas observações e, portanto, testável. O fato de que os revisores críticos avançarem argumentos científicos contra a ID (seja com sucesso ou não ) mostra que o design inteligente é realmente falsificável .

Na verdade, o meu argumento para o design inteligente é aberto para dirigir refutação experimental. Aqui está um experimento de pensamento que faz com que o ponto fica claro. O outro lado desta afirmação é que o flagelo não pode ser produzido pela seleção natural agindo em mutação aleatória , ou qualquer outro processo não inteligente . Para falsificar tal afirmação , um cientista poderia ir para o laboratório , coloque uma espécie bacteria faltando um flagelo sob alguma pressão seletiva ( para a mobilidade , por exemplo) , cultivá-la por dez mil gerações , e ver se um flagelo - ou qualquer igualmente complexo sistema - foi produzido . Se isso acontecesse, minhas reivindicações seriam perfeitamente refutadas .

Alto conteúdo de informação prescritiva será encontrada no genoma - (já comprovado) 

Leis da química e da física, que seguem leis estatísticas, termodinâmicas, e espaciais exatas, são totalmente inadequadas para a geração de informações funcionais complexas ou aqueles sistemas que processam essa informação usando informação algorítmica prescritiva ". Organização exige um controle, o que exige formalismo como uma realidade . Cada proteína é atualmente o resultado da execução de um programa de computador real em execução no sistema operacional genético.

Estruturas biologicas irredutivelmente complexas semelhantes a maquinas serão encontradas - (já provado, a refutação de K. Millers é pobre, e não refutou nada de verdade)

Estruturas de alto conteúdo informacional ,  semelhantes a máquinas e irredutivelmente complexas e interdependentes, dos quais a fotossíntese, o olho, o corpo humano, nitrogenase, o ribossomo, a célula, rubisco, fotossistema II, o  complexo de evolução de oxigênio etc são exemplos, são comumente encontrados na natureza.
Desde evolução é incapaz de fornecer uma vantagem de adaptação em cada passo evolutivo, 1) a previsão de darwinismo é falsificada; 2) A previsão de design está confirmada.

Formas serão encontradas no registro fóssil que aparecem de repente e sem quaisquer precursores - (já conhecido)

"Um registro da vida animal pré-cambriana, ao que parece, simplesmente não existe. Por que este branco ?   Várias teorias foram propostas, mas nenhuma satisfatóriamente. Por exemplo, foi proposto que todos os sedimentos Pré-Cambrianos foram depositados em áreas continentais, e a ausência de fósseis neles seria devido ao fato de que todos os animais mais velhos eram aquaticos. Mas que todos estes sedimentos mais antigos eram continentais é uma teoria que se opõe, sem provas, a tudo que sabemos da deposição em tempos posteriores . Mais uma vez, sugere-se que os mares Pré-Cambrianos eram pobres em carbonato de cálcio, necessário para a produção de esqueletos preservados, mas isso não é apoiado por evidência geoquímica. Mais uma vez, argumenta-se que, mesmo que as condições eram favoráveis ​​à formação  de peças esqueletais fossilizáveis, as vários phylas só começaram a utilizar essas possibilidades no alvorecer do Cambriano. Mas é, a priori, difícil acreditar que os variados tipos presentes no Cambriano teriam, por assim dizer, decidido colocar a armadura simultaneamente. E, mais uma vez, tem-se argumentado que toda a evolução dos animais multicelulares ocorreu com grande rapidez nos tempos pré-cambrianos finais, de modo que um prazo relativamente curto de tempo na deposição de rochas  explicaria a ausência de qualquer registro de sua ascensão. Possivelmente; mas a taxa evolutiva conhecida na maioria dos grupos do Cambriano é relativamente vagaroso, e é difícil convencer-se de que uma grande explosão repentina de avanço evolutivo seria tão prontamente seguido por uma 'desaceleração' marcada. Tudo somado, não há uma resposta satisfatória para o enigma Pré-Cambriano. "

Romer Alfred S. [late Professor of Zoology, Museum of Comparative Zoology, Harvard University], "The Procession of Life," The World Publishing Co: Cleveland OH, 1968, pp.19-20.

Genes e partes funcionais vão ser re-utilizados em diferentes organismos não relacionados - (já comprovado)

O olho do inseto  e o olho dos vertebrados são dois exemplos de estruturas dito serem análogas (estruturas análogas são semelhantes ou assemelhando-se, em certos aspectos, por exemplo, na função ou na aparência, mas não na origem evolutiva ou origem do desenvolvimento. Um exemplo é asas de uma borboleta e asas de um beija-flor são análogas.). No entanto, elas podem ser mostrados de ser ambas com base na expressão do gene da Pax-6, e é provável que os olhos de vertebrados e de insetos (e cefalópodes) modificados são os descendentes de uma célula fotorreceptora metazoária básica que foi regulada por Pax-6.

Investigação a nível molecular não conseguiu demonstrar a correspondência esperada entre as alterações de produtos de genes e as mudanças organismal previstos pela evolução. Evolução por mutações no DNA 'é em grande parte desacoplada da evolução morfológica'

Alguns genes reguladores que têm sequências de DNA semelhantes são encontrados para regular estruturas semelhantes em diferentes phylas quando essas estruturas são pensadas ​​de ter "evoluído" de forma independente. Estes genes homólogos que regulam estruturas análogas podem incentivar o darwinista a reconsiderar se essas estruturas podem realmente ser homólogas devido à ancestralidade comum. No entanto, tendo em consideração as evidências de que diferentes phylas não têm antepassados ​​comuns, esses "homologias de processo" são melhor explicados como evidência de design inteligente, onde o designer reutilizou o mesmo mecanismo de controle para o desenvolvimento de estruturas semelhantes em organismos não relacionados.

O código genético não conterá muita bagagem genética descartada  ou "junk DNA" sem função  - (sendo comprovado muitas vezes)

Quando todos os tipos de elementos genéticos periféricos foram descobertos, os geneticistas evolutivos se referiam  a eles como " DNA lixo" no pressuposto de que eles eram nada além de restos inúteis que sobraram de predecessores evolucionários. Não funcionalidade de "DNA" foi previsto por Susumu Ohno (1972), Richard Dawkins (1976), Crick e Orgel (1980), Pagel e Lawrence (1992), e Ken Miller (1994), com base em pressupostos evolutivos.Por outro lado, as previsões de funcionalidade de "DNA lixo" foram feitas com base em bases teleológicas por Michael Denton (1986, 1998), Michael Behe (1996), John West (1998), William Dembski (1998), Richard Hirsch (2000), e Jonathan Wells (2004).

Veio-se a  descobrir, que estes elementos reguladores são a chave para a saúde celular e desenvolvimento, bem como causa principal de  doenças quando não funcionam corretamente.

A quantidade enorme de componentes de DNA aparentemente não utilizados em cada célula, que Richard Dawkins, incrivelmente, uma vez descartou como "99% junk", agora parecem conter várias camadas de lógica sutil que está apenas começando a ser desvendada, com implicações maçicas a longo prazo .

Um artigo da revista Science de 7 de setembro de 2012  foi intitulado "projeto ENCODE escreve elogio para DNA lixo". "Esta semana, 30 artigos de pesquisa ... soam o dobre de finados para a ideia de que o nosso DNA é principalmente cheio de bases inúteis. Um projeto longo de uma década, a Enciclopédia de Elementos de DNA (ENCODE), descobriu que 80% do genoma humano serve para algum propósito ". "O esforço ENCODE revelou que a regulação de um gene é muito mais complexa do que se pensava, sendo influenciado por vários trechos de DNA reguladora localizado próximo e distante do próprio gene e por cadeias de RNA não traduzidos em proteínas, as chamadas RNA's não-codificantes . "-

Pennisi, Elizabeth. 7 September 2012. Science, Vol. 337, pp. 1159-1161.

Poucas formas intermediárias irão ser encontradas de um caminho claro e gradual de uma família para outra - até agora, não foram encontradas nenhumas. A maioria dos ancestrais reivindicados será mostrado que tem problemas sérios para dar supporte a teoria darwiniana - fato já comprovado historicamente

Michael Denton declarou:

"Ainda é , como foi nos dias de Darwin, esmagadoramente verdade que os primeiros representantes de todas as principais classes de organismos conhecidos para a biologia já são altamente característicos da sua classe quando eles fazem sua primeira aparição no registro fóssil. Este fenômeno é particularmente evidente no caso do registro fóssil invertebrado. Na sua primeira aparição nos antigos mares do Paleozóico, vida invertebrada já foi dividida em praticamente todos os principais grupos com os quais estamos familiarizados hoje. 

O antropólogo Edmund Leach Ronald declarou:

"Elos perdidos na sequência de evidências fósseis eram uma preocupação para Darwin. Ele tinha certeza de que eles iriam aparecer, mas eles ainda estão desaparecidas e parece provável que assim permaneça

Um dos mais famosos defensores da evolução foi o paleontólogo de Harvard Stephen Jay Gould. Mas Gould admitiu,

"A extrema raridade das formas de transição no registro fóssil persiste como o segredo da paleontologia. Nós engraçamos de nós mesmos como os únicos verdadeiros estudantes de história de vida, mas para preservar nosso conto favorecido da evolução pela seleção natural, vemos nossos dados como tão ruins que nunca vemos o próprio processo que professamos estudar.

Mecanismos para detecção e correcção de erros serão abundantes no genoma de todos os organismos - (já comprovado)

Existem pelo menos quatro mecanismos de reparo de excisão para reparar danos na cadeia simples do DNA:

Reparo por excisão de nucleotídeos (NER)
Reparação de excisão de bases (BER)
Reparação incompatibilidade DNA (MMR)
Reparação através de proteínas alquiltransferase-like (ATLs)

A seleção natural não pode agir sem a replicação exata, mas a máquina de proteínas para o nível de precisão exigido é própriamente  construída pelo código genético que se destina a proteger. Isso é uma situação " o que veio primeiro, o ovo ou a galinha". Teria sido um desafio suficiente para explicar a transcrição exata e tradução só por meios naturais, mas como consequência da radiação UV, o DNA teria sido destruído rapidamente através da acumulação de erros. Então a replicação exata e revisão são necessários para a origem da vida. Como poderiam enzimas de revisão ter surgidos, especialmente com este grau de fidelidade, quando eles dependem das informações que eles são projetados para proteger? Pense nisso .... Este é mais um exemplo do problema da galinha e do ovo. Qual é a explicação alternativa para o projeto ? Corrigindo DNA por acaso? E um conjunto complexo de máquinas de tradução, sem um designer?

Mecanismos para adaptações * não * aleatórios , coerentes com as pressões ambientais, serão encontrados  (já encontrados)

O genoma tem sido tradicionalmente tratado e visto sendo apto apenas para servir como HD  para ser lido e extrair informações,  alterando apenas , copiando erros e acidentes. Nesta revisão, proponho que nós precisamos mudar essa perspectiva e compreender o genoma como um intricado formatador  " Ler e escrever " ( read - write RW) sistema de armazenamento de dados constantemente sujeito a modificações celulares e inscrições. Células operam sob condições variáveis ​​e estão continuamente modificando-se por inscrições do genoma. Essas inscrições ocorrem em mais de três escalas temporais distintas (reprodução celular, desenvolvimento multicelular e mudança evolutiva) e envolvem uma variedade de diferentes processos em cada escala de tempo (formando complexos nucleoprotéicos, formatação de epigenética e as mudanças na estrutura de sequência de DNA). Pesquisas  que remontam à década de 1930 mostraram que a mudança genética é o resultado de processos mediados por células, e não simplesmente acidentes ou danos ao DNA. Este ponto de vista de células-ativas de mudança do genoma se aplica a todas as escalas de variação de sequência de DNA, a partir de mutações pontuais para rearranjos genômicos em larga escala e duplicações de genoma inteiro (WGDs). Esta mudança conceitual para inscrições de células ativas que controlam as funções do genoma RW tem profundas implicações para todas as áreas das ciências da vida.

Chamados órgãos vestigiais serão encontrados a ter um propósito e utilidade específica - (já comprovado)

Darwin argumentou em A Origem das Espécies que a ocorrência generalizada de órgãos vestigiais - órgãos que podem ter tido  uma função no passado, mas agora são inúteis - é evidência contra a criação. "Na visão de cada organismo com todas as suas partes separadas tendo sido especialmente criado, seria totalmente inexplicável  que órgãos que ostentam o selo  de inutilidade ... deve ocorrer com tanta freqüência." Mas tais órgãos, argumentou ele, são facilmente explicados por sua teoria: "Na visão de descendência com modificação, podemos concluir que a existência de órgãos em estado rudimentar, imperfeitos, e inútil, ou completamente abortados, longe de apresentar uma estranha dificuldade, pois eles certamente fazem na antiga doutrina da criação, poderiam até ter sido antecipados em conformidade com as opiniões aqui explicadas. "

Muitos dos órgãos que foram alegados a serem inúteis, na verdade, têm um uso. Concedido, muitas destas utilizações não foram identificadas por um longo período de tempo, o que levou a crer que fossem equívocos sem função. Isso deixa-me cético em relação a outros e futuras acusações de órgãos inúteis  em seres humanos ou outros animais. Como Menton aponta, "O problema com a declaração de qualquer órgão estar sem função é discriminar entre órgãos verdadeiramente sem função e aqueles que têm funções que são simplesmente desconhecidos. De fato, ao longo dos anos quase todos os órgãos que se pensava serem inúteis, foram encontrados de serem funcionais. Quando não temos nenhuma evidência para a função de um órgão, é preciso ter em mente que a ausência de evidência não é evidência de ausência "(Menton, 231).

Poucas mutações vai acabar sendo benéficas a longo prazo - (já comprovado)

Os defensores da evolução sustentam deve ter havido mutações "benéficas" de vez em quando para permitir o incremento da informação genética. Embora existam pequenos punhados de mutações que ajudam um organismo para sobreviver em um ambiente extremo, então, por definição, são "equivocadamente" benéfico, nenhuma é "inequivocamente" benéficas  ou "ladeira subindo", no sentido de acrescentar nova informação genética para o pool genético.

Entropia genética será encontrada para cancelar a maioria das mutações  benéficas se houver.

Ratio de mutações benéficas vs. prejudiciais:
Existem numerosas estimativas publicadas que variam de 1/1000 a 1 / 1.000.000. Um artigo publicado em 1998 na revista Genética sugere uma taxa de mutação benéfica (comparada com a taxa de mutação total) de aproximadamente 1: 1.000.000 (Gerrish e Lenski, 1998). Dado que uma parte significativa, se não a maioria do genoma humano é funcional de uma forma ou outra, para um grau semelhante aquelas mutações que não são benéficos seria funcionalmente prejudicial para uma forma ou de outra. Em suma, a proporção de benéfico vs prejudicial é muito pequena - provavelmente bem abaixo da razão de 1/1000.

5] O projeto inteligente é "Criacionismo disfarçado" ? 

Na verdade, as duas teorias são radicalmente diferentes. O criacionismo se move para frente, isto é, ele assume, afirma ou aceita algo sobre Deus e sobre o que um livro religioso tem a dizer sobre as origens; então interpreta observações na natureza para se encaixarem nesse contexto. O design inteligente se move para trás, isto é, ele observa algo interessante na natureza (complexidade, interdependência de mecanismos moleculares,  informações especificadas) e, em seguida, teoriza e testa possíveis maneiras como isso pode ter vindo a ser. O criacionismo é baseada na fé; Design Inteligente é baseado na observação empirica.

Cada abordagem tem um pedigree que remonta a mais de dois mil anos. Notamos a abordagem "para a frente" em Tertuliano, Agostinho, Boaventura, e Anselmo. Agostinho descreveu-o melhor com a frase, "fé em busca de entendimento." Com esses pensadores, a investigação foi baseada na fé. Pelo contrário, descobrimos a orientação "para trás" em Aristóteles, Tomás de Aquino, e Paley. O argumento de Aristóteles, que começa com "movimento na natureza" e as razões de volta a uma "força motriz" - isto é, do efeito para a sua "melhor" explicação causal - é, obviamente, base empírica.

Para dizer então, que Tertuliano, Agostinho, Anselmo (criacionismo) é semelhante à de Aristóteles, Tomás de Aquino, Paley (DI) é equivalente a dizer para a frente é igual para trás. O que poderia ser mais ilógico?

6] Será que  projeto imperfeito afeta o argumento de design?

É geralmente aceite que nenhum ser humano é perfeito ou projeta coisas perfeitamente e ainda somos inteligentes.

Mesmo projetos sub-ótimos exigem um designer. A máquina a vapor de Newcomen não era tão eficiente ou prática como motor a vapor de Watts, mas ninguém no seu perfeito juízo iria sugerir nesta base que o motor de Newcomen se auto-montou por acaso. Em segundo lugar, alguns projetos que podem parecer que não são optimais ou perfeitamente projetados para nós, são na verdade ótimos, como o polegar do panda; o panda usa seu "polegar" (na verdade um osso especializado no pulso) para a apreensão contínua de bambu. Se tivesse usado um polegar opositor a fazê-lo, como proponentes do naturalismo sugeriram que seria  um design superior, o Panda  quase certamente iria sofrer de síndrome do túnel do carpo permanente. 

A TDI se limita a afirmar que não existe nexo de causalidade inteligente que permite a existência de vida (um fator de probabilidade). Perfeição do que foi projetado não é um critério para detectar design. Argumentos de "design imperfeito" são geralmente falhos desde o início. Percebidos "erros de projeto" são apenas isso; uma questão de percepção. O que os críticos muitas vezes vêem como uma "falha", se baseia na verdade, seu próprio conhecimento limitado. E, algumas aparentes "falhas de projeto" foram realmente incorporadas no projeto, a fim de acomodar adaptações no futuro. Então, as coisas muitas vezes citados como falhas de projeto são mais tipicamente uma falta de compreensão do observador. A questão científica real é esta: Existe evidencia que algo observado na natureza é melhor explicado mediante o DI ?  A inferência de design é a conclusão mais razoável com base no que se observa em sistemas naturais ?

Em terceiro lugar, o que vemos agora é o mundo como marcado pela maldição sobre o pecado. Para todos nós sabemos, as pessoas como criados podem ter sido capaz de sintetizar todas as vitaminas necessárias, mas algumas dessas habilidades podem ter sido posteriormente perdidas devido à corrupção genética e drift. Além disso: Desde que a história Genesis inclui a origem do pecado e da morte, é extremamente fundamental para a lógica do evangelho: um mundo bom, arruinado pelo pecado, a ser restaurado no futuro.

Alguns outros apontam para a crueldade na natureza, argumentando que nenhum designer  iria fazer as coisas da forma que estão, imperfeitos. Mas isso não seja necessariamente o caso. Pode ser perfeitamente  que o designer optou por criar um  "design robusto e adaptável" em vez de um "projeto perfeito." Talvez alguns animais ou criaturas se comportam exatamente da maneira que eles fazem para melhorar a ecologia de maneiras que nós não sabemos. Talvez o comportamento destrutivo "aparente" de alguns animais dá a outros animais  alguma vantagem, a fim de manter o equilíbrio na natureza, ou mesmo alterar as proporções da população animal.

Sob tais circunstâncias, o argumento do "design ruim" não é um argumento contra o projeto como um todo. É  prematuro - e, às vezes,  presunçoso - julgar  sobre a sensibilidade do designer. Vindo de evolucionistas teístas, que afirmam ser "devotos" Os cristãos, essa objeção é, portanto, especialmente problemática. Pois, como crentes dentro da tradição judaico-cristã que eles estão comprometidos com a doutrina do pecado original, por meio do qual nossos primeiros pais desobedeceram a Deus e comprometida a relação harmoniosa entre Deus e o homem. Por conseguinte, esta pausa entre o criador e a criatura afetou a relação entre homens, animais e do universo, o que significa que o projeto perfeito foi tornado imperfeito. 

Nossa retina invertida, será que é realmente um design mal-projetado ?  11
Do ponto de vista prático, a fiação do olho humano  não faz muito sentido. Em vertebrados, os fotorreceptores estão localizados atrás dos neurônios na parte posterior do olho - resultando em espalhamento de luz pelas fibras nervosas e desfoque da nossa visão. Recentemente, pesquisadores do Technion - Israel Institute of Technology confirmaram o propósito biológico para esta configuração aparentemente contra-intuitiva. "A retina é não apenas o detector simples e processador de imagem neural, como se acreditava até hoje", disse Erez Ribak, professor da Technion - Israel Institute of Technology. "Sua estrutura ótica é otimizada para os nossos propósitos de visão." Ribak e seus co-autores descrevem o seu trabalho durante a Reunião American Physical Society em março de 2015, em San Antonio, Texas. O interesse de Ribak na estrutura ótica da retina deriva de seu trabalho anterior de aplicação de técnicas de astrofísica e astronomia para melhorar a capacidade de cientistas e oftalmologistas para ver a retina em alto detalhe. Experiências anteriores com camundongos tinham sugerido que as células da glia de Müller, um tipo de célula metabólica que atravessa a retina, desempenham um papel essencial para orientar e focalizar a luz espalhados por toda a retina. Para testar isso, Ribak e seus colegas correram simulações computacionais e experimentos in vitro em um modelo de rato para determinar se cores seriam concentrados nessas células metabólicas. Usaram então microscopia confocal para produzir uma vista tridimensional do tecido retiniano, e descobriram que as células  de fato concentram luz nos fotorreceptores."Pela primeira vez, nós explicamos por que a retina é construída para trás, com os neurônios na frente dos fotorreceptores, em vez de por trás deles", disse Ribak.

Como se constata, os supostos problemas que Dawkins encontra com a retina invertida tornam-se vantagens reais à luz da pesquisa recente publicada por Kristian Franze et. al., na questão da PNAS Maio de 2007. Como se constata, "células de Muller são fibras óticas vivas na retina de vertebrados." 12

Orgãos vestigiais:

O apêndice 14 
Hoje, o apêndice é reconhecido como um órgão altamente especializado, com um rico suprimento de sangue. Este não é o que seria de esperar de uma estrutura inútil degenerada. .

O apêndice contém uma elevada concentração de folículos linfóides. Estas são estruturas altamente especializadas que são uma parte do sistema imunológico. A pista para a função do apêndice é encontrada em sua posição   estratégica correta  onde o intestino delgado se encontra com o intestino grosso ou cólon. O cólon é repleto de bactérias que são úteis lá, mas que devem ser mantidas longe de outras áreas, tais como o intestino delgado e na corrente sanguínea.

Através das células nestes folículos linfoides, e os anticorpos que produzem, o apêndice é 'envolvido no controle de bactérias essenciais que venham a residir no ceco e cólon em vida neonatal. Como a glândula timo muito importante  no nosso peito, é provável que o apêndice desempenha o seu papel importante na primeira infância. E provavelmente,  também está envolvido em ajudar o corpo a reconhecer cedo na vida que certos gêneros alimentícios, substâncias derivadas bactérias, e até mesmo algumas das próprias enzimas do intestino do corpo, precisam ser toleradas e não vistas como substâncias "estranhas" que necessitam ser eliminadas. Os pesquisadores deduzir que o apêndice é projetado para proteger boas bactérias no intestino. Quando o intestino é afetado por um surto de diarreia ou outra doença que limpa os intestinos, as bactérias boas no apêndice podem repovoar o sistema digestivo e mantê-lo saudável.

Cóccix (Sacro)
Todos nós já ouvimos que o nosso cóccix é inútil, ou um lance de volta para quando tivemos caudas. Parece simples o suficiente, temos esta cauda como estrutura óssea, mas ainda não temos rabo ... o quão inútil! Este é na verdade uma afirmação muito incorreta. O cóccix é um ponto de ancoragem para muitos músculos. O grupo muscular levatorani por exemplo, atribui ao cóccix e desempenha um papel muito importante de apoio do assoalho pélvico e manter a continência fecal. Outros músculos que âncora para o cóccix são da rafe anococcygeal usado para suporte do ânus e glúteo máximo que facilita uma ampla gama de movimento do corpo do baixo de resíduos. Dr.Denton escreve: "O cóccix incorrido com o seu diafragma pélvico anexado apóia os órgãos em nossas cavidades abdominal e pélvica, como a bexiga urinária, útero, próstata, reto e ânus. Sem este suporte muscular crítico, estes órgãos podem  facilmente causar hérnia, "(Menton, 238).
Então, claramente, o osso não serve apenas uma função, mas sua função é muito diferente da função que uma cauda prevista em outros mamíferos. Dr.Denton escreve: "O cóccix é comumente chamado de" cóccix "por causa de sua semelhança superficial a uma cauda. O cóccix faz ocupar a mesma posição relativa no final da coluna vertebral, tal como o nosso faz a cauda em primatas de cauda, ​​mas, em seguida, onde mais seria? A coluna vertebral é uma linha linear de ossos que suporta a cabeça de um lado e do outro tem que acabar em algum lugar, "(Menton, 237).

6] É o design inteligente apenas um "argumento da ignorância?

Não. Alguns críticos não entenderam o design inteligente e afirmaram que ele apenas afirma que, porque não podermos entender como algumas estruturas biológicas poderiam ter surgido, elas foram provavelmente projetadas. O  DI não argumenta assim. Na realidade,  observa-se que a teoria do DI é uma explicação causal suficiente para a origem de informação complexa e especificada, e sistemas moleculares irredutivelmente complexos e interdependentes, e, portanto, argumenta a partir de previsões positivas de design. A falta de explicações detalhadas passo-a-passo evolutivo para a origem da complexidade irredutível é o resultado do fato de que sistemas biológicos irredutivelmente complexo não podem evoluir por definição. Uma afirmação exclui outra. Ou seja, ou um sistema é irredutivelmente complexo, ou as partes básicas que garantem a função  podem surgir por meios evolutivos.  4

Deturpando a Definição de Design Inteligente

Behe no julgamento de Dover: (.. Day 10:00 Testemunho, p 110)
"Este argumento para o projeto é um argumento totalmente positivo. Isto é como nós reconhecemos design do arranjo intencional das partes".

Behe também deixou isso claro na tarde de Caixa Preta de Darwin:
Sistemas irredutivelmente complexos como ratoeiras e flagelos servem ambos como argumentos  contra explicações gradualistas darwinistas, e são ao mesmo tempo um argumento positivo para o design. O argumento negativo é que tais sistemas interativos resistem a explicações pelos quais pequenos passos evolutivos seriam possiveis. O argumento positivo é que suas peças parecem que foram projetados a servir a um propósito, que é exatamente o que se espera de design.

Scott Minnich e Stephen Meyer também explicam o argumento positivo para o design:
Máquinas moleculares exibem a assinatura  de projeto, ou seja, são irredutívelmente complexas, e contém grande quantidade de informação complexa, specificada, e codificada. Em todos os sistemas de complexidade irredutível em que a causa do sistema é conhecido por experiência ou observação, design inteligente ou engenharia desempenham um papel na origem do sistema  ... em qualquer outro contexto, seriam tais sistemas seriam imediatamente reconhecidos , como o produto de  engenharia muito inteligente. Embora alguns possam argumentar que isso é  apenas um argumento de ignorância, nós consideramos isto como uma inferência para a melhor explicação, dado o que sabemos sobre os poderes de inteligencia em contrasto a  causas materiais estritamente naturais . 7

Esta complexidade especificada, também chamada de informação complexa e especificada (ICE), é um indicador claro de ação inteligente. Meyer explica por que faz um argumento positivo - não negativo -  para design : Invocando projeto para explicar a origem de novas informações biológicas, os teóricos de design contemporâneo não estão postulando um elemento explicativo arbitrário desmotivado por uma consideração das provas. Em vez disso, eles estão postulando uma entidade que possui exatamente os atributos e poderes causais que o fenômeno em questão exige, como condição de sua produção e explicação. 8

Em um contexto explicativo, os argumentos da ignorância têm a forma:

Premissa Um: Porque X não pode produzir provas ou explicar E. Conclusão: Portanto, causa Y produziu ou explica E.

Os críticos do projeto inteligente alegam que o argumento para o design inteligente assume esta forma também.  Michael Shermer, gosta de alegar que, "design inteligente argumenta que a vida é demasiada complexa especificamente (estruturas complexas como o DNA) para ter evoluída por forças naturais. Portanto, a vida deve ter sida criada por um designer inteligente.  "Em suma, os críticos afirmam que os proponentes do DI argumentam como se segue:

Premissa Um: causas materiais não podem produzir ou explicar as informações especificadas.
Conclusão: Portanto, uma causa inteligente produziu  informação especificada biológica.

Se os defensores do design inteligente estivessem discutindo na forma anterior, eles seriam culpados de argumentar por ignorância. Mas o argumento tem a seguinte forma:

Premissa Um: Apesar de uma busca minuciosa, não há causas materiais  descobertas que demonstram o poder de produzir grandes quantidades de informação especificada, sistemas biológicos irredutíveis e interdependentes.
Premissa Dois: Causas inteligentes demonstraram o poder de produzir grandes quantidades de informação especificada, sistemas irredutíveis e interdependentes de todos os tipos.
Conclusão: O design inteligente constitui a melhor, mais adequada explicação em relação a causas e origens, e explicação para a origem da informação e complexidade irredutível na célula, e interdependência de proteínas, organelas, e partes do corpo, e até mesmo de animais e plantas, tipo interdependência de  mariposas e flores, por exemplo.

Ou, dito de maneira mais formal, o caso para o projeto inteligente feito aqui tem a forma:

Premissa Um: A causa  X não produz  E. Premissa Dois: Causa Y pode e deve produzir E.
Conclusão: Y explica E melhor do que  X. 

1. Alto conteúdo de informação (ou complexidade especificada) e complexidade irredutível constituem indicadores fortes ou imagem de  design inteligente no passado.
2. Sistemas biológicos têm um alto teor de informação (ou complexidade especificada) e utilizam subsistemas que  manifestam complexidade irredutível.
3. Mecanismos naturais ou causas sem direção não são suficientes para explicar a origem da informação (complexidade especificada) ou complexidade irredutível.
4. Por isso, o design inteligente constitui a melhor explicação para a origem da informação e complexidade irredutível em sistemas biológicos.


7] Por que nenhum teórico do DI  recebeu o Prêmio Nobel por refutar a teoria da evolução ?

Você pode me mostrar  alguém que obteve o Prêmio Nobel por provar que a teoría da evolução é realmente verdade? 9

Além disso, até uma criança de 10 anos de idade pode provar que a evolução é falsa .... não é nenhuma grande realização. E o prêmio Nobel é inútil,  e é repetidamente dado a terroristas como Yasser Arfat e gente como Obama, que não fizeram nada para merecê-lo. E nós, os defensores do  design inteligente, zelamos e buscamos a verdade, não a fama. Além do mais, geralmente, prêmios Nobel são concedidos para os avanços científicos, em vez de refutar as teorias existentes.

De acordo com 100 anos de Prêmio Nobel (2005), uma revisão dos prêmios Nobel concedidos entre 1901 e 2000, 65,4% dos ganhadores do Prêmio Nobel, identificaram o Cristianismo em suas várias formas como a sua preferência religiosa (423 prêmios). No geral, os cristãos ganharam um total de 78,3% de todos os Prêmios Nobel de Paz, de 72,5% em Química, em Física 65,3%, 62% em Medicina, 54% em Economia e 49,5% de todos os prêmios de literatura. As três divisões principais do cristianismo são o catolicismo, ortodoxia oriental, e protestantismo. entre 1901 e 2000 revela que 654 Laureates 32% identificaram protestante em suas diversas formas (210 prêmios), 20,3% eram cristãos (nenhuma informação sobre as suas denominações) (133 prêmios), (11,6%) foram identificadas como católica [9] e (1,6%) foram identificadas como Ortodoxa. De acordo com o estudo realizado por que University of Nebraska-Lincoln, em 1998, descobriu que 60% dos prêmios Nobel prêmio em física 1901-1990 tiveram uma formação cristã.

8] O caso Dover, um bom argumento contra a ID?  10

todo mundo que já teve experiência em um tribunal (em qualquer país), 
sabe que tribunais são, literalmente, cheio de mentiras, absurdo, a injustiça, e ofuscação.

Só um tolo afirmaria hoje que a "verdade" é melhor resolvida, ou, de fato, resolvida por completo em um tribunal de justiça. Não importa se o caso 
é grande ou pequeno, rico ou pobre, inteligente ou idiota. 

Tribunais são, naturalmente, dirigidos por advogados, e sem prejuízo, 
advogados são seres humanos, a maioria dos quais são motivados principalmente por dinheiro, 
em segundo lugar, pela paixão política, e talvez como um manco terceiro, da justiça e da verdade. 
Ou, pelo menos, justiça comunitária, ou talvez o pragmatismo. 

No entanto, quando um tribunal decide em favor da causa da evolução, estamos de repente 
tratado com o mais incrível conto de fadas de todos: 

Tribunais são agora os árbitros "finais" da verdade: 
Talvez até mesmo os melhores descobridores  de verdade científica. 

De repente, os advogados tornaram-se nossos heróis, dissecando com precisão a pílula amarga do Design Inteligente, para descobrir o horror do Criacionismo, 
que aparece como "ciência" e ousar "infectar nossos filhos". 

Por favor. 

Se uma pessoa nascida em qualquer momento durante o baby-boom do pós-guerra sabe nada, 
ele sabe que isso é puro estrume de cavalo. 

Estou dizendo o que todo mundo já sabe: 

Após os assassinatos de Kennedy e Martin Luther King, 
a guerra do Vietnã, e Nixon, 
Bush eleições e Arnold Schwarzenegger, 
o O. J. Ensaios Simpson eo furacão Katrina, 
a Gulf Oil derrama e Enron, 

ninguém faz, nem devem, confiar no governo, tribunais, políticos ou advogados. 

Não é sobre os grupos de idade, a sua sobre a história. 

Mas para que não haja qualquer dúvida, 
Pergunte a qualquer cientista de verdade, se ele acha que a melhor maneira de proceder na verdade científica, 
é ter tribunais decidir o que as teorias científicas devem ser aceitos.

9] A  TDI freia o avanço científico ? 13

"Mesmo que tenhamos um critério confiável para detecção de design, e mesmo se esse critério nos diz de fato sistemas biológicos são projetados, teme-se que a determinação de um sistema biológico de ser projetado é semelhante a encolher os ombros e dizer que foi Deus que fez. O temor é que a admissão de design como a explicação vai abafar a investigação científica, e fazer com que cientistas vão parar de investigar problemas difíceis porque já encontraram uma explicação suficiente.

Mas o design não para a investigação científica. Na verdade, o design pode promover a pesquisa em que as abordagens tradicionais evolutivas a obstruam. Considere o termo "DNA lixo". Implícito no sentido desta palavra é a visão que o genoma de um organismo foi remendado através de um longo processo evolutivo, sem direção, o genoma é uma colcha de retalhos dos quais apenas partes limitadas são essenciais para o organismo. ASSIM sobre a visão evolucionista nós esperamos uma grande quantidade de DNA inútil. Se, por outro lado, os organismos são projetados, esperamos DNA, o tanto quanto for possível, de expor função. E, de fato, os achados mais recentes sugerem que a designação de DNA como "junk", ou lixo, meramente esconde nossa atual falta de conhecimento sobre a função. Por exemplo, em uma edição recente do Journal of Theoretical Biology, John Bodnar descreveu como "DNA não-codificante em genomas eucarióticos codifica uma linguagem que  programa o crescimento e desenvolvimento do organismo." A TDI incentiva os cientistas a olhar para a função onde a evolução desencoraja a procurar.

Ou considere órgãos vestigiais que mais tarde se revelam ter uma função depois de tudo. Textos de biologia evolutiva citam o cóccix humano muitas vezes como uma "estrutura vestigial", que remonta a ancestrais de vertebrados com caudas. No entanto, se olharmos para uma edição recente de Anatomia de Gray, encontra-se de fato que o cóccix é um ponto crucial de contato com os músculos que anexar ao assoalho pélvico. A frase "estrutura vestigial" muitas vezes disfarça a nosso atual falta  apenas de conhecimentos sobre a função. O apêndice humano, anteriormente considerados vestigiais, é agora conhecido como sendo um componente de funcionamento do sistema imunitário ".
- William Dembski



1) http://www.uncommondescent.com/faq/#notsci
2) http://www.discovery.org/id/peer-review/
http://reasonandscience.heavenforum.org/t1406-peer-reviewed-papers-on-intelligent-design
3) http://elohim.heavenforum.org/t52-design-inteligente-pode-ser-testado
4) http://www.ideacenter.org/contentmgr/showdetails.php/id/1186
5) http://www.evolutionnews.org/2009/11/misrepresenting_the_definition028051.html
6) (A Caixa Preta de Darwin, pp 263-264 (2006).)
7)  ("A análise genética de coordenar flagelar e tipo III circuitos regulamentares em bactérias patogênicas", in Actas da Segunda Conferência Internacional sobre Design & Natureza, Rhodes Grécia (2004).)
8   (Stephen C. Meyer, "A origem das informações biológicas e as categorias taxonômicas superiores," Anais da Sociedade Biológica de Washington, vol. 117 (2) :213-239 (2004).)
9) http://reasonandscience.heavenforum.org/t1792-why-has-no-creationist-received-the-nobel-prize-for-disproving-evolution-yet?highlight=nobel
10) http://elohim.heavenforum.org/t135-o-caso-de-dover-um-bom-argumento-contra-design#233
11) http://reasonandscience.heavenforum.org/t1689-is-the-eye-bad-designed
12) http://www.pnas.org/content/104/20/8287.short
13) http://reasonandscience.heavenforum.org/t1314-intelligent-design-is-not-a-science-stopper
14) http://creation.com/your-appendix-its-there-for-a-reason

Ver perfil do usuário http://elohim.heavenforum.com

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum