Evidências de Deus , uma fé racional

este forum tem o propósito de organizar e juntar evidências científicas, filosóficas e racionais pela existência do Deus da biblia


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Podemos confiar nos Evangelhos? Três novas razões para crer

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

Admin


Admin
Podemos confiar nos Evangelhos? Três novas razões para crer

http://elohim.heavenforum.org/t209-podemos-confiar-nos-evangelhos-tres-novas-razoes-para-crer

Em 2 de setembro de 1945 representantes do governo do Japão assinaram a rendição incondicional do império japonês no convés do encouraçado Missouri. Nem todos os soldados japoneses ouviram a notícia. 30 anos depois, Iroo Onoda, oficial de inteligência do Exército Imperial Japonês, saiu da clandestinidade na ilha filipina de Lubang com um rifle na mão pronto para continuar a luta. Onoda não superou o choque de descobrir, três décadas depois, que a guerra no Pacífico havia terminado. Esta história me veio à mente ao ouvir a apresentadora de um programa de rádio católica no último 25 de dezembro, afirmando que os “evangelhos da infância” de Jesus são muito problemáticos em termos da sua historicidade. “Olhe”, – disse aquela senhora ou moça – “Lucas diz que o censo de César Augusto ocorreu quando Quirino era governador da Síria”.
Os termos que a comentarista empregou e sua visão negativa sobre a historicidade das narrativas evangélicas sobre a infância de Jesus, eram o pão nosso de cada dia entre os principais estudiosos da Bíblia, até 20 anos atrás. Entre esses estudiosos está o padre católico Raymond Brown, SS, cujas teorias sobre a não-historicidade das narrativas da infância de Jesus continuam a exercer uma influência avassaladora nos seminários e universidades católicas.
Felizmente, a situação alterou-se significativamente nas últimas duas décadas, embora muitos permanecem entrincheirados em sua Lubang particular, como se nada tivesse mudado.
A questão não é trivial. Paulo estava certo quando, em referência à ressurreição de Jesus, ele disse: “Se Cristo não ressuscitou… sua fé é em vão”. Para Paulo a abundância de testemunhas “muitas das quais ainda estão vivas até agora”, era evidência válida que os acontecimentos em questão, na verdade, ocorreram tal qual relatava o evangelho que ele pregava. Lucas compartilha a visão de Paulo sobre a importância capital para a precisão e a veracidade do que se relata (Lucas 1,2-4). Se os detalhes que Lucas e Mateus falam sobre a infância de Jesus são o produto de uma lenda criada e transmitida anonimamente, como ainda é ensinado em muitas universidades e seminários católicos, a credibilidade global do testemunho evangélico de Jesus, e sobre Maria, está irremediavelmente prejudicada.
Meu objetivo neste breve artigo é simplesmente contribuir para a recuperação completa da nossa confiança na historicidade das narrativas da infância de Jesus, como a Igreja sempre afirmou. Em primeiro lugar, vou rever brevemente dois desenvolvimentos recentes na investigação do Jesus histórico publicados nos últimos 20 anos que mudaram radicalmente a consenso sobre o gênero literário e a intenção dos quatro evangelhos. Em segundo lugar vou rever brevemente as duas principais objeções à historicidade das narrativas da infância de Jesus, fornecendo respostas sólidas com base nas mais recentes investigações. Finalmente, lembre-se o que diz a Constituição dogmática Dei Verbum sobre a inspiração e infalibilidade da Bíblia, e como este texto tem sido mal representado em alguns ambientes eclesiais e acadêmicos.
I. Os Evangelhos como biografia greco-romana com base em testemunhas oculares
A obra de Richard Burridge, Quais são os Evangelhos? Uma comparação com a biografia greco-romana, publicado originalmente 1992, alterou para sempre o consenso acadêmico sobre o gênero literário dos Evangelhos.
Desde o início do século XX até surgir a obra de Burridge, a grande maioria dos estudiosos dos Evangelhos consideravam que os três evangelhos sinóticos eram um material sui generis baseados em tradições orais anônimas que foram alteradas livremente ao longo de muitas décadas para chegar a sua edição final pelos evangelistas. O modelo mais comum que levou em conta a estudar este suposto processo de transmissão oral foi o folclore. Consequentemente, o foco dos estudiosos foi principalmente o que os Evangelhos revelavam, não sobre Jesus, mas sobre as comunidades cristãs de onde proviam. Sobre o Jesus histórico pouco se podia saber com certeza, de acordo com o consenso dos principais estudiosos da Bíblia, com base nos Evangelhos.
O trabalho de Burridge explodiu este consenso. Burridge mostra que os Evangelhos, incluindo João, pertencem ao gênero literário gregos e romanos, obios ou vita. O gênero literário de um texto é uma questão fundamental, já que determinar o gênero nos permite em grande parte entender o propósito dessa obra, a forma como o público a recebe, e a credibilidade que o público lhe atribui. Quinze anos de pesquisa permitiram a Burridge apresentar seus argumentos com evidência inquestionável na forma de gráficos e listas completas de elementos gramaticais, estilísticos e temáticos que compartilham os 4 evangelhos com as biografias dos séculos II a.C. ao II d.C.. Os Evangelhos são, portanto, biografias que se ajustam a muitas das convenções do gênero bios na antiguidade greco-romana, mas não todas. Embora muitos das bios mostram uma orientação encomiástica e promocional do herói para um público específico, os Evangelhos não evitam mencionar frases e ações de Jesus que causariam rejeição em massa entre os leitores e audiências dos Evangelhos. A descrição da frequente necessidade dos discípulos, o testemunho colocado na boca de mulheres assim como homens de pouca ou nenhuma reputação para o público, demonstram o compromisso dos evangelistas para transmitir os fatos como eles ocorreram (Lucas 1, 1- 4).
Os evangelhos são biografias escritas como um sermão cristológico, recolhidos e editados com um propósito específico. Com ele, os autores não distorcem os fatos, mas selecionam o detalhe, o foco da narrativa, à luz de uma necessidade particular na comunidade à qual o evangelho é dirigido. Nas palavras de João: “Jesus fez muitos outros sinais na frente de seus discípulos, que não estão escritos neste livro. Mas estes foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (Jo 20,31).
Em segundo lugar, mas de importância igualmente capital é a obra de Richard Bauckham, Jesus e as testemunhas oculares: Os Evangelhos como testemunhas ocularesAo contrário do que se pensava até recentemente pela maioria dos estudiosos que referi anteriormente, Bauckham mostra que os evangelistas utilizavam como a principal fonte os vários testemunhos oculares da vida, morte e ressurreição de Jesus. As fontes de que dependem os evangelistas não são, portanto, tradições anônimas entregues e alteradas livremente ao longo de muitas décadas, mas relatos de testemunhas oculares dos eventos, muitas das quais ainda estavam vivas quando Marcos, Mateus e Lucas escreveram seus evangelhos. Em relação a João, Bauckham diz que o testemunho do qual ele depende principalmente é o seu próprio. Bauckham mostra que a disponibilidade de testemunhas oculares, especialmente entre as testemunhas que ainda estavam vivas, também foi considerado um requisito essencial na historiografia greco-romana da época. O que é mais impressionante na obra de Bauckham é o trabalho exaustivo que teve para fornecer critérios que nos permitem identificar o material das testemunhas oculares nos Evangelhos. Este trabalho inclui, por exemplo, verificar que os nomes mencionados nos Evangelhos se ajustam exatamente na frequência, distribuição e uso do banco de dados de 3.000 nomes recolhidos a partir de Josefo, ossários e outras inscrições, e fragmentos de papiro da época na Palestina (Tal Ilan, Dicionário de Nomes de judeus na Antiguidade Tardia: Parte I :. Palestina 330 aC – 200 dC)
Bauckham mostra que a frequência, distribuição e utilização dos nomes na diáspora diferiam consideravelmente a partir dos dados obtidos para a região palestina. Ainda assim, os evangelistas, que escreveram na maior parte da diáspora, usam esses nomes dos anos 30 com precisão extraordinária. Esta precisão no uso de nomes próprios pelos quatro evangelistas é compatível com a utilização de fontes de testemunhas oculares, e não com o desenvolvimento criativo de fontes por autores separados no tempo e no espaço dos eventos em questão. Na verdade, Bauckham mostra como muitos desses nomes próprios são mencionados porque o evangelista em questão está usando uma testemunho ocular dada por ele ou ela. Por outro lado, uma análise idêntica nos evangelhos gnósticos e outros evangelhos extra-canônicos resulta ser devastadora em termos de presença incorreta, distribuição e utilização dos nomes pelos seus autores. Esses autores não tinham a paixão evangélica para a exatidão histórica e do testemunho de testemunhas oculares, e as suas obras não se enquadram no gênero de bios.
A igreja tem seguido de perto estes desenvolvimentos no estudo dos Evangelhos. Em 2013, Richard Burridge recebeu o Prêmio Ratzinger das mãos do Papa Francisco no contexto de uma conferência em Roma sobre a historicidade dos Evangelhos. É a primeira vez que o prêmio é dado a um cristão não católico. Entre os palestrantes estavam também Richard Bauckham e Stanley Porter, supervisor do meu doutorado na Universidade de Surrey, em 1999. Em seu discurso, Burridge resumiu alguns dos pontos a que me referi, e as ligações entre o seu trabalho e o dos estabelecidos por Joseph Ratzinger, por um lado, e aVerbum Dei por outro. (http://www.fondazioneratzinger.va/content/fondazioneratzinger/it/news/notizie/rimandi-news/graeco-roman-biography-and-the-gospels-literary-genre.html)
II – S. Lucas está errado em seu relato sobre a infância de Jesus?

As obras de Burridge e Bauckham, entre outras, mudaram para sempre algumas das suposições de alto nível tomadas como consenso no mundo dos estudos bíblicos até vinte anos. Vamos agora em detalhes abordar duas grandes objeções que ainda se posicionam colocam contra a historicidade das narrativas da infância de Jesus, dadas como válidas pela comentarista de rádio a que me referi no início.

Em primeiro lugar, existe um erro aparente no contexto histórico em que Lucas coloca o nascimento de Jesus. Em Lucas 2,1-2, o evangelista diz: “Naqueles dias César Augusto publicou uma lei que está inscrita em um censo em todo o mundo. Este primeiro censo se estabeleceu enquanto Quirino era encarregado da Síria” (ἡγεμονεύοντος τῆς Συρίας Κυρηνίου). Lucas afirma a coincidência no tempo do nascimento de Jesus, com o reino de Herodes, o Grande, que termina com sua morte, em 4 aC, e com o mandato de Quirino, na Síria. Mas Quirino, de acordo com o historiador judeu Flávio Josefo, passou a ocupar o cargo de governador da Síria em torno do ano 6 d.C.. Este aparente conflito pode ser resolvido de várias maneiras, mas o mais definitivo é o resultado de uma investigação recente dos professores Steinmann e Rhoads da Universidade de Concordia, em Chicago. O particípio “mandado”, em referência ao mandato de Quirino, na Síria e na Judéia, pode ser interpretado em sentido amplo e não se limita a sua posição oficial como governador. Quirino ocupou cargos de responsabilidade antes de tomar a sua posição oficial de governador e Lucas pode estar se referindo a esse “mandato” anterior. Por outro lado, Lucas diz que o censo a que se refere é o primeiro, o que implica a existência de um segundo. Steinmann menciona fontes romanas em relação ao recenseamento em todo o império no ano 3 aC, ou seja, antes do censo de Quirino, de acordo com a cronologia de Josefo. Mas a importante novidade que Steinmann e Rhodes fornece consiste não em justificar a Lucas, mas para questionar a veracidade da cronologia de Josefo sobre o recenseamento de Quirino, o padrão contra o qual Lucas foi julgado até agora. Não podemos aqui entrar em detalhes do trabalho dos dois estudiosos, mas basta este resumo abaixo. Sem referência a Lucas ou qualquer texto bíblico, os autores retomam a crítica formal do Josefo iniciada há um século por Zahn e outros para argumentar que a narrativa de Josefo sobre o censo de Quirino e a rebelião de Judas o Galileu é uma duplicação de eventos errados que ocorreram antes da morte de Herodes. Os dois autores reconstroem as fontes das quais Josefo depende para apoiar a sua tese. Com base neste trabalho recente, não é São Lucas, mas Josefo, que cometeu um erro na referência de tempo.
Em segundo lugar, tanto Raymond Brown e Joseph Fitzmyer atacaram a historicidade de Lucas 2,22-24, a narrativa de Lucas da visita da Sagrada Família para o templo a fim de realizar os ritos de purificação e apresentação de Jesus. Fitzmyer diz com grande dogmatismo que essa exigência de apresentar o primogênito no templo não é mencionada na Bíblia hebraica, ou a Mishná, e que tal exigência é completamente desconhecida em toda a tradição rabínica judaica. Mas Richard Bauckham provou como em Números 18, se menciona a necessidade de apresentar e resgatar o primogênito no tabernáculo (mais tarde o templo), algo que Neemias 10 posteriormente interpretou de forma coerente com a prática da Sagrada Família que Lucas mencionou.
III . Palavra de Deus. O que a Igreja diz sobre a Bíblia?
Em seu discurso de aceitação do Prêmio Ratzinger do Papa Francisco, Richard Burridge fez numerosas referências à Constituição dogmática Dei Verbum. O trabalho rigoroso e duro de um estudioso da Bíblia católica não pode ignorar, quando quiser fundamentar a sua visão sobre a veracidade dos Evangelhos, as afirmações que a Dei Verbum e em consonância com todos o Magistério anterior. A Dei Verbum 11 é talvez a passagem-chave: “Porque, assim como tudo o que os autores inspirados ou escritores sagrados afirmam deve ser tomado como afirmado pelo Espírito Santo, temos de admitir que os livros da Escritura ensinam solidamente, fielmente e sem erro, a verdade que Deus quis colocar em escritos sagrados para nossa salvação”.
“O magistério anterior da Igreja falou ainda mais claramente, se possível, sobre a plena inspiração e infalibilidade das Escrituras. Ao interpretar este texto crucial da Dei Verbum, é necessário, devo dizer, referir-me mais uma vez para a ‘hermenêutica da descontinuidade’ que Bento XVI falou em 2010 e que eu mencionei em um artigo anterior. Alguns intérpretes do concílio, comprometidos com um programa de método crítico histórico “livre” de qualquer submissão ao magistério, argumentam que a DV 11 afirma apenas uma inspiração e infalibilidade parcial da Bíblia. Estes intérpretes argumentam que o texto pretende, na realidade, limitar a inspiração e inerrância para “aquelas verdades” necessária para a salvação. Portanto, estes intérpretes argumentam que os Evangelhos podem, e de fato contêm, vários erros em áreas não relacionadas à salvação das almas. Devemos supor que esses especialistas seriam aqueles que devem ensinar a Igreja sobre quais áreas do texto bíblico são salvíficas e que áreas são meros acompanhamentos cheios de erros.
No entanto, Santo Agostinho e São Tomás argumentam o oposto, ou seja, que Deus não nos deu material inútil em sua Palavra, mas apenas o que é necessário para nossa salvação e que a inspiração afeta até mesmo as conclusões sobre a ciência. Uma leitura cuidadosa do texto da Dei Verbum e de suas notas de rodapé excluem essa leitura revisionista de uma inspiração parcial. Na verdade, as notas que os padres conciliares inseriram na Dei Verbum 11 referem-se as passagens de Santo Agostinho e São Tomás que mencionamos. Além disso, as notas citam Leão XIII em sua Providentissimus Deus, que afirma que “Aqueles que sustentam que há um erro em qualquer passagem legítima das Escrituras, ou pervertem a noção católica de inspiração, fazem de Deus o autor de tal erro”. Os escritores bíblicos, diz a Dei Verbum, mesmo usando suas faculdades humanas, escreveram sob a inspiração do Espírito Santo, “tudo e só o que Ele queria”. Esta é a interpretação da Dei Verbum 11 validada em 1998 pela Congregação para a Doutrina da Fé, no seu comentário doutrinal sobre a Professio Fidei.


http://logosapologetica.com/podemos-confiar-nos-evangelhos-tres-novas-razoes-para-crer/

Ver perfil do usuário http://elohim.heavenforum.com

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum