Evidências de Deus , uma fé racional

este forum tem o propósito de organizar e juntar evidências científicas, filosóficas e racionais pela existência do Deus da biblia


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Tetrápodes evoluiram. Realmente ?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Tetrápodes evoluiram. Realmente ? em Sex Jan 08, 2016 8:34 am

Admin


Admin
Tetrápodes evoluiram. Realmente ?

http://elohim.heavenforum.org/t213-tetrapodes-evoluiram-realmente

Recentemente, vi o seguinte video sobre robôs andando em quatro pernas : https://www.youtube.com/watch?v=M8YjvHYbZ9w



Eu pensei logo o quanto inteligência é necessária para programar, projetar e constuir estes robôs. No mundo natural, de acordo com os proponentes do naturalismo, a coordenação e a invenção de novos membros corporais era devido apenas a processos naturais aleatórios. Isso me fez dar uma olhada mais de perto ao que trabalhos científicos tradicionais têm a dizer sobre o assunto. Como os primeiros membros de tetrápodes emergiram? Que mecanismo é necessário para crescer partes corporais como pernas, e como é que os defensores da evolução explicam o surgimento dos tetrápodes?

De acordo com os defensores da evolução, tetrápodes surgiram a partir de uma linhagem de peixes. Este tipo de mudança dramática ao longo do tempo é chamado macroevolução. A transição da vida na água para a vida na terra teria exigido mudanças estruturais dramáticas em todo o corpo para suportar os efeitos aumentados da gravidade, entre outras exigências novas. Muitos aspectos da origem dos tetrápodes ainda são desconhecidos. Sua suposta evolução gerou grande interesse, mas as primeiras fases de sua história são pouco compreendidos. Estudos recentes têm questionado hipóteses de longo aceitas sobre a origem do membro Pentadactyl, a filogenia dos tetrápodes e do ambiente em que os primeiros tetrápodes viviam.'' Os primeiros tetrápodes conhecidos com pés e pernas se imagina que foram animais aquáticos; os defensores da evolução, portanto, argumentam que pés e pernas evoluiram em um ambiente de águas rasas e só mais tarde foram cooptados para o uso na terra.

http://reasonandscience.heavenforum.org/t1808-transition-from-water-to-land-dilemma?highlight=land

A maioria das discussões sobre o tema tem se concentrado para elucidar se o registro fóssil permite encontrar formas de transição que permitem inferir uma transição de água para a terra. Não só existem lacunas enormes, mas a ideia carrega grandes problemas conceptualmente, e como um todo.

Além disso, como Behe ​​explicou muito bem: Para dizer que alguma função é entendida, cada passo relevante no processo deve ser elucidado. Os passos relevantes no processo biológico ocorrem, em última análise, a nível molecular, de modo que uma explicação satisfatória de um fenômeno biológico, tais como o surgimento dos tetrápodes devem incluir a forma como a transição ocorreu a nível molecular. Já não é suficiente para uma "explicação evolutiva"  de invocar apenas as estruturas anatômicas de olhos inteiros, como fez Darwin no século 19 e como a maioria dos divulgadores da evolução continuam a fazer hoje. Anatomia é, muito simplesmente, irrelevante. Assim é o registro fóssil. Não importa se ou não o registro fóssil é consistente com a teoria evolutiva, assim como não importaria na física que a teoria de Newton foi consistente com a experiência cotidiana. O registro fóssil não tem nada a nos dizer sobre, digamos,  como as interações de 11-cis-retinal com rodopsina, transducina, e fosfodiesterase poderiam ter se desenvolvidas passo a passo. Nem os padrões de matéria biogeografia, ou de genética de populações, ou as explicações que a teoria evolutiva deu para órgãos rudimentares ou abundância das espécies.

Então ao invés de ficar com comparações de anatomia de fósseis que possam ter alguma similitude que poderiam ser interpretadas como intermediários e evolução dos membros de tetrápodes de barbatanas de peixe, vamos tentar elucidar como foi significativa a mudança funcional e morfológica  em termos dos mecanismos genéticos subjacentes . O registro fóssil fornece compreensão sobre supostas alterações morfológicas. No entanto, para compreender os mecanismos subjacentes, devemos perscrutar as redes reguladoras de genes de vertebrados vivos.

Novas estruturas anatômicas surgem de novo, ou  evoluem a partir de estruturas pré-existentes? Os avanços na genética do desenvolvimento, paleontologia e biologia evolutiva do desenvolvimento supostamente lançaram luz sobre as origens das estruturas que mais intrigaram Charles Darwin, incluindo membros de tetrápodes. De acordo com os defensores da evolução, estruturas surgiram pela modificação de circuitos reguladores genéticos pré-existentes.

O programa genético instrui como fazer novas estruturas, mas  o programa deve ser precisamente programado, e os circuitos reguladores genéticos também precisam ser programados. Ou seja, dois programas distintos precisam emergir, que é 1. o programa que define a forma física e estrutura do membro, e 2. o programa que instrui onde encontrar a informação genética no genoma, e quando  expressar o gene  durante o desenvolvimento, que deve ser na seqüência correta. Que são diferentes camadas de informação, que devem existir plenamente desenvolvidos, a fim de criar as novas peças anatômicas em questão na forma correta, que crescem no lugar correto, e no momento certo de desenvolvimento do corpo.

As instruções que controlam quando e onde um gene é expresso são escritos na sequência de bases de DNA localizadas na região de regulação do gene. Estas instruções são escritas em um idioma que é muitas vezes chamado de "código de regulamentação do gene '. Este código é lido e interpretado por proteínas chamadas fatores de transcrição que se ligam a seqüências específicas de DNA (ou 'palavras' de DNA ") que aumentam ou diminuem a expressão do gene. Mudanças na expressão genética entre as espécies poderia, portanto, ser devido a mudanças nos fatores de transcrição e / ou alterações das instruções dentro das regiões reguladoras de genes específicos.

Para comunicação  acontecer, é necessário 1. A sequência correta de bases de DNA localizadas na região reguladora do gene, e 2. Os fatores de transcrição que lêem o código. Se um dos dois estiver ausente, a comunicação falha, o gene que tem que ser expresso, não pode ser encontrado, e todo o processo da expressão genética falha. Este é um sistema complexo irredutível. O código de regulamentação gene não poderia surgir de uma forma passo a passo, sendo que uma vez que se fosse esse o caso, o código teria apenas significado instrucional certo se plenamente desenvolvido. Isso é um exemplo por excelência do design inteligente.

http://reasonandscience.heavenforum.org/t2220-shannons-theory-of-information

Durante o desenvolvimento dos membros de vertebrados, os genes chamados  Hoxd são transcritos  em duas fases temporais; uma onda início controla o crescimento e polaridade até o antebraço e uma segunda fase  controla o crescimento os dígitos. Na revista Developmental Cell, Tarchini e Duboule (2006) relatam que dois módulos reguladores opostos direcionam a expressão collinear  de genes Hoxd.

Pergunta: como poderiam mecanismos naturais ter programado e dirigido as fases temporais corretas de transcrição gênica de genes certos e controle em ondas? Além disso, os membros desenvolvem no local certo, as coordenadas corretas e informação de posicionamento é necessária, os membros podem desenvolver em qualquer parte do corpo. Será que os mecanismos naturais descobriram  o lugar certo por varias tentativas até acertarem ? Havia uma infinidade de posições possíveis de como e aonde adicionar o membro. Como poderia a coordenação correta  e precisa da posição axial ser atingida por mutações aleatorias?


O problema é que a natureza tem muitas opções e sem projeto a grande maioria seriam desastrosas.  As razões para rejeitar a proposta de Darwin são muitas, mas primeiro de tudo é que muitas inovações não podem possivelmente vir a existir através da acumulação de muitos pequenos passos, e até mesmo se eles pudessem, a seleção natural não pode realizá-las, porque estágios iniciais e intermediários não são vantajosos.    Mecanismos naturais são muito inespecíficos para determinar qualquer resultado em particular. Vamos supor que mutação e seleção natural poderia, teoricamente, formar um novo recurso morfológico complexo como uma perna ou um membro com o tamanho e a forma correta, e descobrir a localização do corpo certa para desnvolvê-los, mas também pode produzir todos os tipos de outras formas corporais novos, e crescer e anexá-los em qualquer parte do corpo, a maioria dos quais não têm nenhuma vantagem biológica ou seria provavelmente prejudicial para o organismo. Mecanismos naturais não têm restrições, poderiam produzir qualquer tipo de novidade. E porém, este tipo de liberdade que torna extremamente improvável que meros desenvolvimentos naturais aleatorios proporcionam novos arranjos evolutivos específicos que são vantajosas para o organismo. A natureza teria que providenciar quase um número infinito de tentativas e erros até a obtenção de um novo arranjo positivo. Desde que isso se tornaria um evento altamente improvável, o design é uma explicação melhor.

Pesquisando vários trabalhos científicos tradicionais, eu não encontrei um deles, que fosse capaz de fornecer uma descrição detalhada como exatamente a transição morfológica poderia ter ocorrido através da evolução.

Alguns biólogos também visionaram mutações especiais em genes regulamentais como homeobox  ou genes Hox, onde mutações simples podem ser capaz de fazer grandes mudanças de desenvolvimento em um organismo que possa resultar em um fenótipo radicalmente diferente. No entanto, a manipulação de genes Hox  faz pouco para resolver o problema da geração de novas bioestruturas funcionais, e fazer grandes alterações no fenótipo é raramente benéfico. Mutações no gene Hox podem ser um mecanismo mais simples para a geração de grande mudanças, mas eles também não escapam do problema do "monstro esperançoso". "A desvantagem para os cientistas é que a economia perspicaz da natureza esconde enorme complexidade. Pesquisadores estão encontrando evidências de que o  genes Hox e os genes homeobox não são agentes independentes, mas  membros de vastas redes genéticas que ligam centenas, talvez milhares, de outros genes, e  alterar um componente,  outros inumeráveis ​​vão mudar também -. e não necessariamente para melhor. Assim,  sonhos de mexer com caixa de ferramentas da natureza para trazer à vida o que os cientistas chamam de "monstro esperançoso" - tal como um peixe com os pés -. deverão permanecer opções não viáveis. "Além disso, muitos biólogos esquecem quando invocando mutações no gene Hox que os genes Hox só podem re -arrangar peças que já estão lá - eles não podem realmente criar novas estruturas.

Mutações Hox nunca vão criar novos "genes informativos para novas partes corporais", e, portanto, não é possível adicionar novas funções verdadeiramente fenotípicas no genoma, e na melhor das hipóteses, ficamos com os dilemas associados com a "pré-adaptação". A maioria das mudanças evolutivas devem ser realizadas com  evoluir novos genes  para novas " partes do corpo", que mutações Hox não podem fazer. Um revisor da revista Nature  reconhece esse fato: "Schwartz ignora o fato de que os genes homeobox são genes seletor. Eles não podem fazer nada se os genes regulados por eles não estão lá. São estes genes que especificam em detalhe a estrutura adaptativa dos órgãos. Certamente, ligar um gene homeobox no lugar errado, pode resultar no aparecimento de um órgão ectópico, mas somente se os genes para esse órgão estão presentes no mesmo indivíduo. É totalmente errado implicar que um olho pode ser produzido por uma macromutação quando nenhum olho estava sempre presente na linhagem antes.

Os genes Hox (ou homeóticas) regulam a expressão de outros genes codificadores de proteínas durante o processo de desenvolvimento animal. Alguns biólogos têm comparado-os ao maestro de uma orquestra que interpreta o papel de coordenar as contribuições dos músicos. E porque os genes Hox afetam tantos outros genes, muitos defensores evo-devo pensam que mutações nestes genes podem gerar mudanças de grande escala no organismo.

Mas mutações em genes Hox podem transformar uma forma de vida animal e um corpo em outro com novos membros e funções ? Há várias razões para duvidar de que eles podem. Em primeiro lugar, precisamente porque os genes Hox coordenam a expressão de muitos outros genes diferentes, mutações experimentalmente gerados em genes Hox provaram sendo prejudiciais. Em moscas de fruta "a maioria das mutações nos   genes Hox causam defeitos congênitos fatais." Em outros casos, o  fenótipo mutante Hox resultante, enquanto viável, a curto prazo, no entanto, é marcadamente menos apto a sobrevivencia  do que o ajuste do tipo selvagem. Por exemplo, por mutação de um gene Hox em uma mosca da fruta, os biólogos têm produzido a dramática mutante Antennapedia, uma mosca infeliz com as pernas crescendo fora de sua cabeça, onde  deveriam estar as antenas.

http://reasonandscience.heavenforum.org/t2077-hox-genes

http://reasonandscience.heavenforum.org/t2219-tetrapods-evolved-really

Ver perfil do usuário http://elohim.heavenforum.com

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum